Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A oportunidade de viver

por baía azul, em 01.04.12
Começar é sempre o que custa mais.
Duvidar (de mim) era uma sensação que poucas vezes me assolava.
Hoje, sinto o confuso que é fazer parte, não fazer parte, tentar fazer e tentar não fazer.
É sempre assim quando tento escrever: baralho todas as minhas ideias; refugio-me em desculpas e, no fundo, perco-me invejando os tranquilos de espírito.

Queria ser mais coerente.

Depois de ontem percebi o quanto tenho ignorado essa coerência, a importância de viver e o medo de morrer.

Ter medo. Será bom ou mau? Sei que envolta na satisfação de, ao ter ido contra o separador da estrada, não ter acontecido nada, ficou o medo de pegar no volante. O medo de não estar atenta.
Ainda oiço o zumbido, o "crash" do retrovisor, o coração a saltar pela boca, a certeza de que algo horrível estava a acontecer! O susto, o susto, o susto.
Cinco segundos depois percebi que a estrelinha lá em cima estava a brilhar, em pleno na sua luz deu-me a oportunidade de estar viva, de não espalhar a tristeza.

Às vezes é assim. Envolta no medo, assolada pela tristeza, mas ciente de que foi dada outra chance.

Dez segundos depois pensei na paixão. Não a canção, mas a sensação. A que tenho sentido e não soube gerir.
O que é sentir afinal?

Sentir é ter o coração fora do lugar, os batimentos acelerados, incertezas somente
A alegria de estar viva, a estranha melancolia também.
É como um castigo, quase tão cruel quanto o de não sentir.

A verdade é que convencida do equilíbrio que estar fora de Luanda me podia causar, pus os pés pelas mãos.
Ao desejar uma segunda oportunidade para corrigir tudo, lembro que a tive ontem, a de me manter viva.

Não posso pedir mais nada, mas anseio por fazê-lo e depois agarrá-lo para nunca mais perder...

É incrível como não nos satisfazemos com a dádiva e queremos sempre mais!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:10



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D